Esclarecimento sobre Empréstimo

Publicado em

Considerando publicação sobre empréstimo ocorrida na lista da Asav em 1º de dezembro de 2014, o Agros esclarece:

A Operação com Participantes (Carteira de Empréstimos) é um segmento dos investimentos do Instituto, regido por legislação específica, a Resolução 3.792/2009 do Conselho Monetário Nacional e suas alterações.  Além destas, o segmento também deve atender aos limites e às metas de rentabilidade determinadas pela Política de Investimentos institucional, aprovada pelo Conselho Deliberativo.

No mercado são oferecidos empréstimos com taxas pré e pós-fixadas. No caso dos pré-fixados, para manter o valor das prestações inalterado, são cobradas taxas mais altas, a fim de preservar a rentabilidade do investimento. O Agros não trabalha com esta modalidade pura pelos seguintes motivos:

- Os juros pré-fixados são maiores, por anteciparem uma expectativa de inflação futura.

- Devido ao risco do descasamento entre as taxas de juros cobradas e o INPC vigente, pode haver prejuízo tanto para o participante quanto para o Agros.

- O mesmo risco faz com que o tempo do empréstimo seja reduzido, limitando, assim, o valor que o mutuário irá contrair.

Atualmente são praticadas as seguintes taxas para a concessão de empréstimos pelo Agros:

– Taxa de Administração: 0,10% a.m.

– Taxa de Quitação Por Morte: 0,1339% a.m. (Para quitação do empréstimo em caso de falecimento do participante)

– Fundo Garantidor de Crédito: 0,0344% a.m. (Opcional. Aplicada nos casos de não apresentação de fiadores)

– Taxa de Juros: 0,54% a.m.

– Correção Monetária pelo INPC

Desta forma, trabalha-se com uma parte pós-fixada, referente à variação do INPC, o que faz com que as prestações não sejam fixas.

Para exemplificar: como o INPC médio dos últimos 12 meses ficou em 0,51% a.m., o custo efetivo total do empréstimo do Agros tem girado em torno de 1,35% a.m.

Vale salientar que empréstimo é um recurso que o participante só deve contrair em caso de necessidade, pois, por melhor que pareça, possui um custo embutido. É importante que antes de contrair um empréstimo o interessado compare as taxas do Agros com as taxas de outras instituições que ofereçam o mesmo produto. Acima de tudo, o mutuário deve estar atento ao montante final a ser pago, pois é ele que apontará a modalidade/instituição que melhor atende sua necessidade.

Sobre o Emaadi

O Empréstimo de Amortização Aleatória Diferida (Emaadi) foi concedido a participantes dos Planos A e B.

Quando do advento do RJU, os participantes do Plano B receberam, em forma de Emaadi, o valor correspondente às contribuições que haviam vertido ao Instituto (Reserva de Poupança), corrigidas pelo INPC.

Posteriormente, depois da aprovação do regulamento do Plano B, o Agros integralizou a Reserva de Poupança acrescida de juros de 1% a.m., deduzindo-se o valor do Emaadi antes concedido.

Esta modalidade de empréstimo também foi disponibilizada aos participantes do Plano A (celetistas da UFV não abarcados pelo RJU e funcionários do Agros), após avaliação atuarial e aprovação do Conselho Deliberativo. Por se tratar de empréstimo, sobre ele incidem atualização monetária e juros, como ocorre com as demais modalidades oferecidas pelo Agros. O saldo devedor é corrigido pela variação do INPC + 5% a.a.

Ressalta-se que o Emaadi contraído pelo participante do Plano A é quitado na suplementação de aposentadoria paga pelo Agros, conforme taxa calculada atuarialmente.

 

Agros: previdência, saúde e qualidade de vida no presente e no futuro!