Colapso no sistema de saúde afeta todos

Publicado em

O Brasil passa pelo momento mais grave da pandemia do coronavírus e já sofre com o que é considerado o colapso do sistema de saúde. De acordo com registros da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), “a situação é extremamente crítica em todo o país”, e quase todos os estados “estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) iguais ou superiores a 80%, sendo 15 com taxas iguais ou superiores a 90%”.

É preciso ficar claro que o colapso no sistema de saúde também afeta os beneficiários do plano de saúde. O colapso significa que não há capacidade de atender os pacientes, seja no sistema público ou privado/conveniado, por falta de leitos, de equipamentos, suprimentos ou mesmo de profissionais.

A situação é grave também na rede credenciada do Agros, e já não há vagas disponíveis nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da maioria dos hospitais. Com isso, o Plano de Saúde pode encontrar dificuldades para realizar a transferência de participantes que precisarem de atendimento, por exemplo.  

No atual momento da pandemia, os hospitais registram um aumento na internação de jovens e de pessoas sem comorbidades, o que especialistas atribuem, entre outros fatores,  ao relaxamento de algumas medidas de isolamento/distanciamento sociais.

Individualmente, cada beneficiário pode fazer a sua parte para reduzir os impactos no sistema de saúde e contribuir para que haja tratamento adequado para quem precisa:

  • Só saia de casa se for realmente necessário.
  • Use a máscara, cobrindo a boca e o nariz, sempre que estiver com pessoas que não moram com você.
  • Higienize as mãos com frequência.
  • Adie a realização de cirurgias ou outros procedimentos de saúde que não sejam urgentes.
  • Não organize ou participe de eventos, mesmo que da família. A orientação é restringir a convivência aos membros da família que vivem na mesma residência.

Quando você se cuida, protege os outros e todo o sistema de saúde!

 

Medidas adotadas pelo Agros

Desde o início da pandemia, em março de 2020, o Agros tem acompanhado a situação dos municípios em que há rede credenciada. O Instituto atendeu à determinação da Prefeitura Municipal de Viçosa e disponibilizou respiradores, equipamentos de proteção individual (EPIs) e outros materiais para montagem de estrutura adequada para atendimento na cidade.

Também negociou, com toda a rede credenciada, o pagamento de EPIs para melhor proteção dos profissionais de saúde e dos beneficiários; e disponibilizou o serviço de teleatendimento (conheça melhor o funcionamento aqui), para que os beneficiários continuem a cuidar de sua saúde, mas evitem deslocamentos desnecessários pelas cidades.

 

Agros: previdência, saúde e qualidade de vida no presente e no futuro!